domingo, 3 de maio de 2015

Nao se afobe não que nada é para já

Estava refletindo sobre a sabedoria do tempo, como ele nos transforma naquilo que imaginamos que seria impossível atingir, como ele nos traz o aprendizado no tempo certo...

Vejo os jovens ansiosos e sedentos que colocam os pés no caminho da espiritualidade, então me veio esta sábia canção de Chico Buarque, que gostaria de compartilhar com vocês...



Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios
No ar ...
E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos ...

Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização

Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você...


Lindo, não?

Quem sabe hoje nós também estamos aprendendo com a sabedoria dos sábios que um dia aprenderam a amar e a viver..  Vasculhamos suas cartas, seus livros, suas gavetas e amamos com o amor que um dia amaram deixaram para nós...


abs,

4 comentários:

  1. Como sempre, letra primorosa, do eterno poeta Chico Buarque!
    É exatamente o que fazemos nós, profundos pensadores e estudiosos das relíquias literárias que nos foram dadas como heranças por nossos sábios escritores do passado.
    Pitágoras poderia cantar esta música para seus discípulos, que poderiam ser nós, numa vida passada.
    Nós podemos cantar para nossos netos e bisnetos, e, sem saber, para alguns pesquisadores que, em tempo futuro, acessarem os nossos blogs de curso da Numerologia da Alma.
    Inspirador!
    Abraços, João Sérgio e Sílvia.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Que bom, espero que lhe acalme e traga paz e serenidade diante das aflições.
      abs

      Excluir